Criança, família e escola em tempo de pandemia: o brincar e as brincadeiras como possibilidades de viver as infâncias.

11 de maio de 2021


 
                                                                                     
Tatiani Rabelo Lapa Santos[1]
 
 
Escrevo esse texto com o propósito de refletirmos sobre o que temos feito em defesa das nossas crianças nesse período de pandemia. As famílias estão passando mais tempo juntas, mas quais experiências estão sendo vivenciadas? Estamos ouvindo as crianças? Olhando nos olhos delas? Abraçando-as? Brincando? Conversando? Dançando? Cantando? Fazendo tarefas? Afinal, o que estamos fazendo junto com elas?
Como mãe, professora e pesquisadora da área das infâncias, defendo que o passo inicial para proporcionar às crianças dias mais felizes e tranquilos é ouvi-las, pois, assim como nós, adultos, a rotina delas também mudou.
Nesse sentido, convido vocês, famílias, a olharem o mundo sob outra perspectiva, a partir do olhar das crianças, dando a elas, mais autonomia, liberdade e participação. É preciso conversar com as crianças sobre os sentimentos que as afetam, as brincadeiras, as histórias e danças que preferem. Enfim, perguntar o que elas querem fazer e como podem contribuir no cotidiano. É necessário BRINCAR, BRINCAR E BRINCAR e, acima de tudo, tornar os dias das crianças mais FELIZES!


E isso não é tarefa fácil, pois na maioria das vezes temos de abandonar o olhar autocêntrico e realizar uma mudança de postura, tornando-nos mais sensíveis, valorizando o tempo que passamos ao lado das crianças, vivendo verdadeiramente com elas! E o brincar e as brincadeiras possibilitam esse viver verdadeiro, devido ao encantamento, alegria que trazem e a descoberta que proporcionam. Não há nada mais significativo para as crianças que as risadas verdadeiras, o afeto, o toque e o respeito.


Portanto, podemos aproveitar o tempo que dispomos, para oferecer às crianças a companhia e cumplicidade que precisam, pois a casa é o primeiro e genuíno espaço do afeto e do brincar. É o lugar onde acontecem as primeiras relações com o outro.
Tenhamos firmeza, ternura, afeto, cumplicidade e união para com as nossas crianças, oferecendo a elas proteção, confiança e muito apoio, em um ambiente em que se sintam acolhidas, contempladas e protegidas, quiçá, poderemos, assim, tornar suas vidas (e, consequentemente as nossas) mais felizes!


Nesse sentido, comungo do pensamento do psicopedagogo italiano, Francesco Tonucci que, em uma entrevista dada para o jornal El País, no dia 12 de abril de 2020, apresentou o seguinte ensinamento: “aproveitemos esses tempos de distanciamento social para aproximarmo-nos das crianças em casa e de vivermos junto com elas experiências que sejam significativas.”


Segundo esse autor, após passarmos por esses tempos sombrios, uma das primeiras coisas que as crianças poderão fazer, com segurança e saúde, será “gritar, correr, viver um brincar partilhado com os amigos e abraçar seus pares”.


Quanto ao retorno à escola, será necessário repensar um outro formato, em que o mais importante não seja apenas adotar medidas para realizar o cumprimento da carga horária durante o ano letivo e “recuperar os supostos dias escolares perdidos”.


É de fundamental importância que as instituições se preparem para receber as crianças, preocupando-se, sobretudo, em como tornar o espaço-tempo escolar mais humanizador, acolhedor, seguro e permeado pelas brincadeiras e interações, conforme postulado nas Diretrizes Curriculares da Educação Infantil (DCNEis), de 2010. Isso envolve pensar em uma prática pedagógica que acolhe, conforta, respeita, contagia, ouve verdadeiramente as crianças e que demonstra um olhar sensível para as infâncias.
 
Bibliografia 
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.
 
TONUCCI, Francesco. Não percamos esse tempo precioso com lição de casa. Jornal El País, 2020. https://brasil.elpais.com/sociedade/2020-04-12/francesco-tonucci-nao-percamos-esse-tempo-precioso-dando-deveres.html Acesso em 01 de maio de 2021.
 
 
[1] Graduada em Pedagogia - Universidade Federal de Alfenas-MG. Especialista em Supervisão, Inspeção e Gestão Escolar. Mestre em Educação - Universidade Federal de Uberlândia e Doutoranda em Educação - Universidade Federal de Uberlândia - MG. PROFESSORA DA EDUCAÇÃO INFANTIL - SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO do Município de Uberlândia–MG. E-mail: tatianirablo@hot.mail.com
 
Na capa desenho de Elena Rabelo Lourenço, 5 anos.
Veja mais artigos sobre Educação Veja mais
Copyright ©2021 - Revista Infâncias
Design by: